Bem-vindo! Hoje é terça-feira, 22 de outubro de 2019

Minicursos movimentam comunidade acadêmica no 8º BioUrcamp

Adquirir e expandir conhecimentos num espaço curto de tempo e com profissionais qualificados são uma das referências dos minicursos. Na área da saúde o destaque foi para o de Antocianinas – antioxidades tidos como as grandes promessas não ação antitumorial, ou seja, que previnem tumores no organismo. O minucurso foi ministrado por três professores da Urcamp:  MSc. Guilherme Marques Bragança, MSc, Ana Carolina Zago, Dra. Ana Palua Simões e MSc. Gabriela da Silva Schirmann.

O curso contou com um momento teórico e três práticos, onde os participantes puderam conhecer sobre a determinação das antocianinas nos vegetais, a interação com os outros antioxidantes e a relação com marcadores e poluidores ambientais. Entre os participantes, acadêmicos dos cursos de Biologia, Nutrição e Farmácia, além de alunos de outras Instituições de Ensino Superior.

Camila Artigas Schmidt, formada em Nutrição pela Urcamp, diz que veio fazer o curso para se aprimorar. “Voltei para ampliar o meu conhecimento, esses cursos oferecidos nos abastecem, além do mais é uma delícia rever colegas e professores que fizeram parte da minha formação”, destaca.  Márcio Sperb, que cursa o primeiro semestre de Farmácia, conta que ficou entusiasmado com a abordagem e relato dos professores. “São novas oportunidades de aprender, curiosidades, além do incentivo que os professores nos dão para participarmos dos minicursos. É um ganho gigante que temos, além da sala de aula”, explica.

Os ministrantes do curso revelam que esse antioxidante é encontrado em frutas e vegetais de coloração roxa e vermelha: repolho roxo, berinjela, beterraba, tomate, caqui, morango, uva, ameixa, goiaba, entre outros. O professor Guilherme Marques Bragança, diz que a ideia é realçar a importância desses alimentos à população. “Os frutos do biomapampa apresentam importante teor de Antocianinas. Considerando este antioxidante com a promessa para tratamento e prevenção de patologias que assolam as comunidades, torna-se fundamental sua abordagem sob todos os aspectos. Isso colabora para a valorização dos vegetais do nosso bioma e contribui para o desenvolvimento regional na saúde e na economia”, pontua.

 A Urcamp conta atualmente com o maior projeto de estudo de frutas do biomapampa e sua capacidade antioxidante. O programa envolve sete professores de diferentes áreas da saúde.

Mais fotos