Bem-vindo! Hoje é quarta-feira, 18 de setembro de 2019

Exposição "Tempo de Mulher" está aberta à visitação no Museu Dom Diogo de Souza

A Exposição - Tempo de Mulher está em evidência no Museu Dom Diogo de Souza FAT/Urcamp. A fototeca é de Túlio Lopes. Aqui temos uma pequena amostra do que pode ser visto, confere e visita o nosso museu! A entrada é gratuita!

Esta coleção rara, é datada de mais de um século, tem por objetivo traçar um diálogo e um comparativo entre a imagem da mulher de outrora e a atual e os postais como meio de comunicação.
Invenção do século XIX, surgiu para facilitar a troca de correspondências sem envelope, enviados a amigos e parentes, com um escrito no verso. Portadores da memória visual, imagens cuidadosamente escolhidas reiteravam laços de amizade e encantamento com um recado no verso escrito a mão

Os postais fotográficos em que o cliché a preto e branco, colorido manual ou industrialmente, enche uma face de maiores dimensões e com um verso dividido, torna-se evidente que foram, por um lado, o desenvolvimento da fotografia, dos processos de reprodução e de impressão e, por outro, o progresso dos correios e das normas da União Postal Universal, que fizeram do postal ilustrado um dos mais populares vetores da iconomania do nosso tempo.
Os postais eram nos centros urbanos um meio de comunicação diário e terão certamente um papel considerável na dinamização da cultura visual. Espécie de correspondência em estampas, o postal ilustrado é no fim do século XIX um elemento recém chegado ao comércio das imagens coletivas, que contava até ali com as imagens religiosas, os cartazes e as estampas, e as gravuras de alguns livros e de alguns jornais..
Chegando assiduamente às caixas de correio, os postais invadem o interior das casas do início do século, com o fulgor de imagens mecânicas e o brilho sintético das suas cores: menos dispendiosos que as estampas e que os retratos fotográficos, as miniaturas seladas são coladas como souvenirs nos álbuns, tiradas e folheadas distraidamente de uma gaveta, ou arrumadas na caixa de sapatos, assumindo-se como uma distração verdadeiramente popular.